RSS
YouTube
Facebook
Twitter
NOTÍCIAS

15.04.19   |   Economia

Queda no consumo e recuo da economia dão indicativos do governo Bolsonaro

ARQUIVO EBC

http://ftmrs.org.br/images/201904151355060.jpg

Compra de itens básicos dos brasileiros, em janeiro e fevereiro, sofreu a primeira retração para o período em cinco anos. Atividade econômica em baixa foi medida pelo Banco Central

O consumo de alimentos, bebidas, produtos de higiene e limpeza pelos brasileiros sofreu uma queda de 5,2%, entre janeiro e fevereiro deste ano, de acordo com dados da pesquisa da consultoria Kantar. O recuo na hora da compra de itens básicos é apontado como recorde, sendo a primeira retratação para o período em cinco anos.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo confirma a queda, nesses dois primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro, como resultado da pressão do aumento do desemprego e da inflação da comida, e do tombo na renda do brasileiro. De acordo com o IBGE, ao menos 13,1 milhões de pessoas estão desempregadas, enquanto, em março, a inflação geral em 12 meses chegou 4,58% e a inflação de alimentos e bebidas atingiu 6,73%.

A pesquisa ainda apontou que, pela média histórica, desde 2014, esse foi também o primeiro ano que houve redução nas compras de todos os itens da cesta de produtos, inclusive os mais básicos e de difícil substituição, como papel higiênico e leite de caixinha. "Fiquei chocada com o resultado. É uma queda bem forte que ocorreu em todas as classes sociais e regiões", afirma a diretora e responsável pela pesquisa da Kantar, Giovanna Fischer, sobre o retrato das compras de 55 milhões de domicílios ou 90% do potencial de consumo do país.

No entanto, apesar da representatividade em todos os setores e regiões, a classe C foi a que a mais recuou e, por concentrar a maior parte dessa população, o interior do estado de São Paulo registrou a maior queda no consumo (-10,3%), seguida pelas regiões Norte e Nordeste (-5,8%).

Uma piora em outros índices

Houve uma queda também no Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central (BC), que caiu de 0,73% em fevereiro, ante 0,31% registrado em janeiro. De acordo com reportagem do jornal Valor Econômico, foi o "maior tombo mensal desde maio de 2018", quando o período foi marcado pelos efeitos da greve dos caminhoneiros.

O IBC-Br é resultado do cálculo mensal dos indicadores de produção da agricultura, indústria e serviços, é antecede a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB).

Fonte: Rede Brasil Atual

Sindicatos filiados
Boletim informativo. Cadastre-se!
Redes sociais e Feed
RSS
YouTube
Facebook
Twitter
Abrir
Rua Voluntários da Pátria, 595, 10° andar, sala 1007
Centro - Porto Alegre - RS
51 3085.7513 - 3228.4877 - 3228.4821 - 9976.3954
ftmrs@ftmrs.org.br

Mapa de localização
© Copyright 2019 Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos RS     |     Desenvolvido por Desize