RSS
YouTube
Facebook
Twitter

Vitalina Gonçalves

Publicado em 19.05.16   |   Política Nacional

Para que servem os movimentos sociais?

A vida em sociedade é eivada de conflitos motivados por disputas em torno de bens materiais, culturais e simbólicos. Inventamos a política para vivermos em coletividade. A ausência da política transforma a vida social em um campo de batalha.

Recentemente, as civilizações deram um passo adiante e inventaram a democracia para garantir equanimidade de expressão e aquisição de direitos. Uma sociedade democrática não se caracteriza apenas pela formalidade de suas instituições, mas quando assegura que quem dela participa tenha acesso a bens. Portanto, a desigualdade é um ataque frontal à ideia de democracia. Até os liberais mais sensatos reconhecem esses pressupostos.

Neste momento de exacerbação dos conflitos políticos é comum emergirem opiniões infectadas de preconceitos contra os movimentos sociais. Essa postura remonta ao início do século passado, quando os imigrantes, negando-se a serem tratados como escravos assalariados, decidiram protestar. À época bradavam as elites: “pau neles”, “são vadios”.

Não fossem os negros “fujões” os senhores de engenho teriam alongado a escravidão. O que seria das mulheres sem as “loucas” sufragistas que lutaram pelo direito a voto? O que seria do direito do trabalho se não fossem os “baderneiros” que lutaram pela redução da jornada de trabalho, intervalo para almoço, férias, direito a aposentadoria, etc?

O que seria da humanidade se os camponeses não se insurgissem contra o regime feudal? O que seria do capitalismo sem os “agitadores” da revolução francesa, que abriram espaço para que a burguesia, pelo menos uma vez, se apresentasse como classe rompedora de grilhões? O que seria da civilização sem a rebeldia dos jovens?

Todo poder constituído, principalmente quando usurpado, gera reações e contrapoderes, que se manifestam na forma de movimentos sociais. Querer criminalizá-los ou eliminá-los é um flerte perigoso com o fascismo ou demonstração de ignorância e preconceito, comportamentos hoje em alta na sociedade, porém na contramão de uma cultura respeitosa, humana e democrática.

Vitalina Gonçalves
Professora, secretária de Administração e Finanças da CUT-RS e integrante da Frente Brasil Popular

Observação: Todos os textos aqui publicados são de inteira responsabilidade de seus autores.
Sindicatos filiados
Boletim informativo. Cadastre-se!
Redes sociais e Feed
RSS
YouTube
Facebook
Twitter
Abrir
Rua Voluntários da Pátria, 595, 10° andar, sala 1007
Centro - Porto Alegre - RS
51 3228.4877 - 3228.4821 - 9976.3954
ftmrs@ftmrs.org.br

Mapa de localização
© Copyright 2017 Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos RS     |     Desenvolvido por Desize